sexta-feira, 17 de setembro de 2010



Pinceladas leves, livres
Soltas como o vento
Ou brisa suave que me leva
Em suas asas
E faz o coração arder como brasas
E permite meu pensamento
Alcançar o espaço de luz, emoção e magia
Na ponta o pincel carrega não só tinta
Mas uma voz que grita
Para não sufocar a alma
Que quer partir, sair pela janela
Atrás de um mundo colorido
Como aquarela
Uma bela tela.

Nenhum comentário: